Abrafarma 30 anos Logo
Área
Restrita
Abrafarma 30 anos Logo

Vacinação de familiares protege parentes mais vulneráveis à infecção

13 de outubro de 2021
Fonte: Portal VEJA / Foto: Tony Winston/MS/Divulgação

Estudo sueco mostra que pessoas com problemas de imunidade correm riscos menores de infecção e hospitalização se conviverem com familiares vacinados. Um estudo da Universidade de Umeå, na Suécia, mostra que a vacina protege as pessoas mais vulneráveis à Covid-19 de infecção e hospitalização mesmo dentro de casa. Isso porque, além da proteção individual, a pesquisa indica que a imunidade dos membros da família que já tiveram a doença.

Além da proteção individual, vacina reduz o risco de transmissão do novo coronavírus Tony Winston/MS/Divulgação anteriormente ou completaram o esquema vacinal aumentou.

“Os resultados sugerem que a vacinação é importante não apenas para a defesa individual, mas também para reduzir a transmissão, especialmente dentro das famílias, que é um ambiente de alto risco” , diz Peter Nordström, professor de medicina geriátrica da Universidade de Umeå. No levantamento, os pesquisadores descobriram que havia uma associação direta entre o número de indivíduos imunes em cada família e o risco de infecção e hospitalização em membros não imunes. Especificamente, os familiares com problemas de imunidade tiveram um risco de 45% a 97% menor de infecção e hospitalização conforme aumentou o número de parentes vacinados.

O estudo é baseado em registros de mais de 1,8 milhão de indivíduos e cerca de 800 mil famílias. Os pesquisadores combinaram dados da Agência de Saúde Pública da Suécia, do Conselho Nacional de Saúde e Bem-estar e da Statistics Sweden, agência governamental que supervisiona os dados estatísticos do país.

Na análise, os cientistas quantificaram a associação entre o número de familiares com imunidade contra Covid-19 e o risco de infecção e hospitalização em indivíduos não imunes. Eles levaram em conta as diferenças de idade, status socioeconômico, agrupamento dentro das famílias e vários diagnósticos previamente identificados como fatores de risco para a doença na população sueca.

“A vacinação ajuda não apenas a reduzir o risco do indivíduo de se infectar, mas também a diminuir a transmissão do novo coronavírus, o que, por sua vez, minimiza o risco de que mais pessoas fiquem gravemente doentes e que surjam novas variantes” explica Marcel Ballin, estudante de doutorado em medicina geriátrica na Universidade de Umeå e coautor do estudo. “Consequentemente, garantir que muitas pessoas sejam vacinadas tem implicações em uma escala local, nacional e global” , finaliza Ballin.

Você é jornalista? Participe da nossa Sala de Imprensa.

Cadastre-se e receba em primeira mão: informações e conteúdos exclusivos, pesquisas sobre a saúde no Brasil, a atuação das farmácias e as principais novidades do setor, além de dados e imagens para auxiliar na produção de notícias.

Vamos manter os seus dados só enquanto assim o pretender. Ficarão sempre em segurança e a qualquer momento, pode deixar de receber as nossas mensagens ou editar os seus dados.