Fonte: Portal EXAME

 

Além das condições pré-existentes, pessoas infectadas têm mais chances de ter transtornos; na pandemia, empresas relatam alta de doenças psiquiátricas

Por Victor Sena

 

De olho nos efeitos que a pandemia tem causado sobre a saúde mental, como já foi alertado pela Organização Mundial da Saúde, uma pesquisa da Universidade de Oxford descobriu dados que demonstram que a covid-19 pode ter mais chances de estimular o surgimento de doenças mentais, como transtornos de ansiedade e depressão.

 

Além disso, a pesquisa descobriu que existe uma correlação entre problemas psiquiátricos já existentes e a chance de alguém ser infectado pelo novo coronavírus. Essas pessoas tinham 65% mais chances de ser diagnosticadas com covid-19.

Nos três meses após terem sido infectados, 5,8% dos pacientes tiveram seu primeiro diagnóstico psiquiátrico. Enquanto isso, pessoas recém recuperadas de doenças respiratórias comparáveis, como gripe, foram 2,5 e 3,4% do total. 

Isso mostra que a pessoas infectadas pelo novo coronavírus tiveram pelo menos duas vezes mais chances de ter transtornos psiquiátricos.

 

estudo, conduzido por pesquisadores da the Universidade de Oxford e do NIHR Oxford Health Biomedical Research Centre, explorou dados dos Estados Unidos. Foram analisados dados de saúde de 69,8 milhões de pacientes norte-americanos, dos quais 62.354 mil tiveram covid-19.

 

Apesar de o primeiro diagnóstico ter sido encontrado em apenas 5,8% dos infectados, o que indica a causalidade, 18,1% das pessoas que tiveram covid-19 têm alguma questão psiquiátrica.

 

No Brasil, uma pesquisa da consultoria Falconi aponta o crescimento de casos de depressão, burnout e distúrbios emocionais. 37% das empresas registraram aumento de doenças psiquiátricas.

 

Os acometimentos mentais no ambiente laboral são preocupantes, tanto pelo estado precário de saúde dos funcionários, quanto pelo impacto que o cenário gera nas empresas, inclusive financeiramente. A Isma-BR calcula que a má gestão do estresse custa 80 bilhões de dólares às organizações no Brasil. Nos EUA, o número pode chegar a 300 bilhões de dólares.

Transtornos pré-existentes

 

Até agora, os fatores de risco mais comuns são a idade, problemas cardíacos e a diabetes. 

No artigo, os autores afirmam que não há dados que expliquem por que isso acontece, mas apontam algumas hipóteses. 

Pessoas ansiosas podem ter menor adesão às recomendações de distanciamento social e fatores de estilo de vida (como, tabagismo) também podem ter essa influência. 

 

A vulnerabilidade à covid-19 também pode ser aumentada por um estado pró-inflamatório existente em algumas formas de transtorno psiquiátrico ou estar relacionado à medicação psicotrópica.

 

Os afirma que não previam que o histórico psiquiátrica poderia ser um fator de risco independente e reforçam que a conclusão parece robusta, já que é observada em diferentes idades, ambos os secos, se há outro fator de risco ou não e mesmo em casos em que não havia vulnerabilidade de moradia e econômica.

 

Mesmo os dados sendo robustos, os autores citam uma pesquisa coreana que não encontrou associação entre diagnóstico psiquiátrico e a covid-19, mas que tinha amostra pequena.

 

Os pesquisadores destacam que as conclusões já servem para que médicos e sistemas de saúde consideram os transtornos mentais como comorbidade e adequem a estratégia de combate à pandemia.

 

LINKS

ENTRE EM

CONTATO

EMAIL

abrafarma@abrafarma.com.br
TEL

+ 55 11 4550-6201

____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

© Copyright 2020 Abrafarma. Todos os direitos reservados.